quarta-feira, 1 de abril de 2009

BOGOTA - COLOMBIA































Mudança radical de temperatura: do calor escaldante de Cartagena pro friozinho com chuva de Bogotá.

Aqui estamos, em nossa última cidade da viagem. A capital do país fica a 2.600 m de altitude, onde já se pode sentir o famoso cansaço.

Na segunda foto desse capítulo, uma curiosidade: O prédio de construção estilo neogótico, que mais parece a extensão de uma igreja, abriga apartamentos tipo loft, super modernos. Interessante, mas meio assombroso!

Cercada por montanhas, a cidade é cheia de ladeiras, principalmente no bairro "La Candelaria", onde nos hospedamos.

Esse centro histórico, de mais de 470 anos, tem total segurança, afinal, aí estão instaladas todas as universidades e a maioria das escolas.

Ou seja, povoado por jovens e estudantes, o local é bem frequentado, além de possuir diversos museus, cafés, praças e atrações culturais para gostos variados.

As plaquinhas de rua são minha paixão pois, além de indicar um local (sua função básica); com excepcional charme retratam uma época e seu estilo.

Por conta própria, fizemos nosso "walking tour" e conhecemos os principais atrativos da cidade:

A Plaza de Bolívar concentrava população "sem teto" numa manifestação junto ao governo. Aproveitamos a oportunidade para doar nossas roupas e "otras cositas mas" a quem realmente necessitava.

Ao invés de largarmos tudo em nosso hotel, montamos uma sacolona e levamos até lá. Escolhemos um casal mais ou menos do nosso tamanho e lhes demos, entre outros, sabonetes, remédios, toalha de banho, camisetas, etc ...

Mais um lance marcante desta cidade é que existe um comércio informal gigantesco de minutos de celular. Deduzimos que a aquisição do "vício" não seja tão fácil nem barata, então, quem tem vende!

Observe pequenas barraquinhas de guloseimas anunciando o serviço ... "MINUTO $ 200" = US$ 0,08 = R$ 0,20 (aproximadamente).

Por esse e muitos outros motivos, concluímos que o Brasil é o país mais caro da América Latina! Até Belize e México, que consideramos os mais caros entre todos os países que visitamos, perdem pro Brasil, no quesito "isso é um roubo".

Estamos muito mal acostumados a pagar caro pelo que não tem todo o valor da etiqueta! Tudo bem. Sabemos que em São Paulo há do bom e do melhor. Mas não é pra tanto, vamos e venhamos, não?

E por falar em comércio informal, pode-se ver também, nas ruas de Bogotá, um doce típico Colombiano, a OBLEA. Uma bolacha fininha e gigante, que forma um sanduíche, quando recheada de doce de leite (AREQUIPE).

Só que fiquei na vontade, pois nos lembramos do último dia de uma outra viagem, em Cuzco, quando virei do avesso por causa de um simples chocolate quente. Então decidimos não arriscar nos 44 do segundo tempo.

Resisti à tentação de experimentá-la, por isso, preciso voltar um dia desses. Hehehe.

Nas longas caminhadas descobrimos, sem querer, a "Plaza de Toros" em que, no momento, não havia nenhum festival (ainda bem!); e também o Planetário, onde assistimos a um de seus espetáculos, pra fechar a nossa lista de "tudo que podemos fazer, sem preconceito".

E ali por perto havia também o MIRADOR COLPÁTRIA, um prédio comercial (tipo Terraço Itália) com vista panorâmica da cidade. Infelizmente não pudemos conhecer porque só abre de fim de semana mas, em compensação, tivemos vista mil vezes melhor quando
subimos o Cerro de Monserrate.

Bogotá é uma cidade que sofreu grande reformulação em termos de segurança, limpeza, cultura, etc ... O transporte público foi praticamente refeito, quando da criação do sistema TransMilênio. Não tem metrô mas tem uma rede eficaz de ônibus que atende toda a cidade.

Mesmo assim usamos taxi pra sair a noite e fomos a 2 grandes shopping centers: o Atlantis Mall e o CC Grand Estacion. Assistimos o filme "Che" (sobre Che Guevara) e compramos a tão desejada bota da Columbia pro Léo ... o que só poderia acontecer nas vésperas da nossa volta afinal a dita cuja é pesada demais e ocupa um espaço enorme na mala!

As fotos GORDINHAS são do artista Fernando Botero. Não temos o hábito aficcionado por "devorar" museus mas gostamos desse trabalho simpático exposto no Museo Botero, no centro histórico.

Nessa mesma ocasião conhecemos também a Biblioteca Luis Ángel Arango, a Casa de la Moneda, o Museo de Arte del Banco de la República e a Casa de Nariño (palácio do governo), super protegida!

Andamos por toda a Av. Jimenez até a estação do Funicular/Teleférico e subimos ao Santuario de Monserrate, uma igrejinha no topo de um morro de 700m além da cidade de Bogotá.

Se lá em baixo já era alto, depois então chegamos a 3.300m de altitude! Valeu a pena pois a vista é espetacular. O som da cidade é louco, diante do silêncio calmo dos arredores do templo.

E PRA FINALIZAR NOSSA PEREGRINAÇÃO, USAMOS UMA PALAVRA DA GÍRIA COLOMBIANA:

"CHÉVERE" (em espanhol)

que quer dizer, em inglês, "COOL" ou, em português, "LEGAL" !!!!!!!!!!!!!

Um comentário:

FH disse...

Parabens para a viagem de vcs.
li tudo sobre o chile, atacama, pucon... estou indo para la...
ja estao no meu blog...
abs